MARIJUANA ROXA, POR QUÊ?

A cor roxa geralmente aparece na natureza quando as plantas são expostas a temperaturas mais baixas do que o normal.

marijuana púrpura

No momento em que esta situação ocorre, algumas plantas adquirem tons de roxo, violeta ou púrpura, entre outros. Essa característica fisionômica também é encontrada em múltiplas variedades de cannabis que, quando plantadas no exterior sofrendo com baixas temperaturas, substituem a cor verde por essas tonalidades. Atualmente, foi descoberto que algumas plantas de marijuana apresentam tons roxos mesmo sem serem expostos a baixas temperaturas. Isso se deve à criação seletiva de linhagens com tendência a adquirir esses tipos de cores.

Por que existem variedades de cannabis roxas?

Para entender a razão de tudo isso, precisamos esclarecer alguns conceitos simples e processos bioquímicos, mas desconhecidos do público em geral. Primeiro, esclarecer que as tonalidades violeta e púrpura surgem da relação entre antocianinas e pH. As antocianinas são um conjunto de aproximadamente 400 pigmentos solúveis em água que, de acordo com sua estrutura e biossíntese, são classificados como flavonóides e possuem tons avermelhados se os níveis de pH forem ácidos; se, pelo contrário, os níveis de pH forem neutros, as tonalidades serão púrpuras e, se os níveis de pH forem alcalinos, os tons serão azulados.

marijuana púrpura

Por outro lado, os flavonóides são normalmente amarelos na aparência, daí o seu nome, que etimologicamente surge da palavra grega ” flavus “, que em latim significa literalmente “amarelo“. De fato, esses pigmentos solúveis em água estão diretamente relacionados à pigmentação e não têm nada a ver com o sabor. A estabilidade das antocianinas é determinada pelo grau de oxidação, temperatura, força iônica e interação com outras moléculas complexas e outros radicais.

Uma vez que isso seja esclarecido, mencionamos que, uma vez que as plantas de marijuana são vasculares, ou seja, possuem um xilema e um floema que distribuem nutrientes e água por toda a planta, as antocianinas estão presentes em suas folhas, flores, caules e até raízes. Portanto, dependendo do genótipo da planta em questão, as antocianinas podem ser expressas durante o período de floração, dando a nossa coloração roxa, independentemente das temperaturas e condições ambientais; ou eles podem não se expressar mesmo em condições frias se o genótipo da planta não permitir.

Quando e por que as antocianinas são produzidas?

As antocianinas são produzidas apenas durante as últimas semanas de floração, quando a aparência da planta começa a mudar. Agora, se a planta tiver deficiências de clorofila, os pigmentos ainda serão mais visíveis. Note, antes de continuar, que a clorofila é um pigmento verde que está presente nos caules e folhas de muitos vegetais e é responsável pelo processo de fotossíntese.

Agora vem a explicação mais simples; Como todo cultivador sabe, uma vez que os dias começam a encurtar e a noite se alonga, as plantas começam o processo de floração. Isso se deve ao fato de mudança no fotoperíodo sinalizando o momento de cessar a produção de clorofila e concentrar toda a sua energia exclusivamente na produção de flores e frutos. É neste momento que, enquanto a clorofila se dissipa e se decompõe devido à estrutura da planta, as famosas antocianinas começam a se concentrar e se acumular na planta, adquirindo estas tonalidades púrpura, azul ou vermelha. Portanto, as mudanças de cor no final do período de floração respondem a processos biológicos que ocorrem naturalmente na estrutura da planta.

marijuana púrpura

Agora entendemos por que é natural encontrar tons de violeta, laranja, ouro ou ocre nas plantas de marijuana no final do período de floração. Mas olho! É natural que eles apareçam apenas no final do período de floração, se estas tonalidades começam a emergir durante o período vegetativo ou quando a vegetação começa, isso significa que as plantas estão doentes ou precisam suprir algum tipo de deficiência alimentar. A única diferença entre a aparência de tons amarelos ou violetas é que violetas aparecem devido a antocianinas e amarelos a carotenóides.

Carotenóides também são pigmentos que residem na planta, especificamente eles são um grupo de aproximadamente 600 moléculas com tons que variam do amarelo ao vermelho, e são produzidos ao longo do ciclo de vida da planta. Apesar de serem produzidos ao longo da vida da planta, eles só aparecem no final do período de floração, pois a planta deixa de produzir clorofila em vez de aumentar a produção de pigmentos.

A relação entre roxo e frio

Existem variedades de marijuana que, apesar de conterem antocianinas, sua aparência não muda a menos que você esteja exposto a baixas temperaturas prolongadas. Os processos responsáveis ​​pelas plantas expostas ao frio adquirem tons púrpura ainda não foram totalmente compreendidos. Como apontamos anteriormente, sabemos que esses processos dependem da produção e ativação de antocianinas.

Isso também acontece em outras frutas, como a laranja de sangue, mirtilos, amoras, morangos cerejas e uma variedade de alimentos entre os quais encontramos, além de frutas, vegetais como beterraba ou cebola verde; cereais como milho roxo, ou sementes, como papoula. Em particular, as laranjas sanguíneas também exigem um período de frio para adquirir sua característica cor vermelha.

marijuana púrpura

Estudos científicos

Os estudos realizados nesse sentido apontam para um complexo conjunto de circunstâncias genéticas e processos químicos relacionados ao gene Ruby responsável por esse fenômeno. Este gene é encontrado em todas as variedades cítricas, mas na grande maioria delas não é expresso. Agora, o que distingue as frutas cítricas naquelas que se expressam? A resposta está em uma sequência especial de DNA chamada retrotransposon, um elemento genético móvel capaz de se auto-introduzir em diferentes partes do genoma das células essenciais.

Os cientistas mostraram que as plantas desenvolveram mecanismos realmente complexos para garantir que os retrotransposons e elementos genéticos semelhantes permaneçam inativos. Isto é devido à capacidade de retrotransposons para entrar nos genes essenciais, causar mutações e matar a vida da planta. No entanto, esses mecanismos em questão podem ser interrompidos se a planta estiver estressada, por exemplo, quando exposta a baixas temperaturas. Em resumo, observe que o frio ativa o retrotransposon, que por sua vez ativa o gene Ruby, e inicia a produção de antocianina que desencadeará o aparecimento de tons violetas.

Vantagens e desvantagens da marijuana roxa

Como explicamos anteriormente, a característica diferencial dos frutos roxos é a produção de antocianinas. Estes pigmentos solúveis em água são potentes antioxidantes que se acredita terem propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e neuroprotetoras. Além disso, algumas pesquisas recentes indicam que certas antocianinas têm alguma afinidade seletiva por receptores canabinóides. Acredita-se que isso esteja provavelmente relacionado a certos tipos de ligação com receptores CB1 e receptores BB2.

Atualmente, não há estudos sobre os efeitos do consumo de antocianina cannabis em seus consumidores. Mas há estudos que mostram que o consumo de alimentos ricos em antocianinas reduz doenças crônicas, funções neurológicas e aumenta o desempenho e a saúde de quem os consome; especialmente no caso de bagas do tipo amora, mirtilo, framboesa ou bagas de goji, entre outras. Além disso, também existem estudos que mostram que as antocianinas melhoram o funcionamento do sistema cardiovascular, previnem obesidade e doenças coronarianas, e têm efeitos antitumorais, anti-inflamatórios e antidiabéticos.

Expectativas do futuro

Discernir se as propriedades positivas dos alimentos roxos também estão presentes nas variedades de cannabis dessas tonalidades é um desafio a ser resolvido. No caso hipotético de ser este o caso, seríamos antes de tudo um avanço em termos de pesquisa médica sobre os benefícios da cannabis. Além disso, os tons violetas deixariam de ser um mero apelo estético para se tornar uma atração medicinal, tornando-se uma das variedades mais procuradas e pesquisadas.

É surpreendente que estudos ainda não tenham sido realizados para resolver esses problemas, especialmente se levarmos em conta os avanços que poderiam ser feitos. De qualquer forma, na velocidade em que o conhecimento sobre a cannabis avança, é provável que em poucos anos tenhamos estudos confiáveis ​​que certifiquem essa questão.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

EQT S.L.U. actúa como se responsable de los datos que se recabaran en el presente blog. La finalidad es mostrar su comentario en el post, cuya base jurídica es su consentimiento expreso del articulo 6.1.a. RGPD. Se pueden ejercer en cualquier momento los derechos de acceso, supresión, limitación, portabilidad de datos u oposición dirigiéndose a la dirección postal: al correo electrónico: info@geaseeds.com. Con el checkbox Das tu consentimiento para el recabado de los datos volcados aquí, admitiendo que los mismos son verídicos, exactos y fiables, aceptando haber leído la política de privacidad.