QUANTAS PLANTAS DE MARIJUANA SE PODE TER LEGALMENTE NA ESPANHA?

Esta é uma questão realmente controversa que gera muitas dúvidas para os consumidores que estão procurando autossuficiência e que em torno giram diferentes critérios nem sempre são precisos.

Quantas plantas posso ter?

Quantas plantas posso ter?

Quanto se pode plantar? É legal cultivar maconha?

Então, quantas plantas maria se pode ter legalmente?

A resposta é simples e clara: nenhuma, na Espanha, não é legal cultivar nenhuma planta de maconha, independentemente de seu consumo ser destinado a fins lúdicos ou terapêuticos.

Tal como acontece com quase tudo relacionado com a cannabis, a legislação espanhola é ainda ambígua, no entanto, há uma série de nuances que são importantes a considerar, a fim de tentar lançar alguma luz sobre o assunto.

O Código Penal

O Código Penal espanhol em seu artigo 368 dispõe que:

“Aqueles que executam atos de cultivo, processamento ou tráfico, ou promovem, favorecem ou facilitam o consumo ilegal de drogas tóxicas, narcóticos ou substâncias psicotrópicas, ou os possuem para esses fins, serão punidos com penas de prisão de três anos a seis anos e uma multa de três vezes o valor do medicamento sujeito ao delito, no caso de substâncias ou produtos que causam sérios danos à saúde, e prisão de um a três anos e uma multa de duas vezes em outros casos”.

No caso da cannabis, uma vez que é considerada unanimemente pela jurisprudência como uma droga que “não causa sérios danos à saúde”, a pena de prisão de um a três anos e uma multa de duas vezes o valor da droga. Este parágrafo do artigo 368 CP descreveria o tipo básico de crime de tráfico de drogas.

O cultivo de maconha na Espanha, não é legal

É claro, desta forma, que o cultivo de maconha na Espanha não é legal. Mas é verdade que, quando um número razoável de plantas de maconha é apreendido para consumo próprio, a situação geralmente é salva por uma multa. Isto se deve ao fato de que o segundo parágrafo do mesmo artigo descreve o tipo atenuado deste crime que prevê “Não obstante as disposições do parágrafo anterior, os tribunais podem impor a penalidade em menor grau àqueles indicados em resposta ao escasso entidade do fato e as circunstâncias pessoais do culpado. Este poder não pode ser usado se qualquer das circunstâncias referidas nos artigos 369 bis e 370.”

marijuana legal ou ilegal

Quando nos deparamos com a situação em que a polícia confisca um número não muito significativo de plantas de cannabis destinadas ao autoconsumo, o juiz pode apreciar que há pouca identidade de facto, isto é, de acordo com a forma como o crime foi realizado (montante apreendido, meios utilizados, etc.), o magistrado pode considerar que não existe risco para a saúde pública e, por conseguinte, existe menos ilegalidade do fato e, por outro lado, ter em conta as circunstâncias pessoais do sujeito (autoconsumo, pessoal) para avaliar a aplicação do tipo de crime mitigado.

É muito importante ter em mente que não há um critério unânime sobre o número de plantas a partir do qual o tráfico de drogas foi considerado ou o número de gramas considerados consumo pessoal, embora o peso total do produto apreendido seja levado em consideração. Dependemos do critério e da vontade do juiz em cada caso, segundo o qual ele decidirá a aplicação do tipo básico ou o tipo atenuado do crime.

Consequências ou sanções possíveis

De acordo com isso, uma pessoa que tenha sido confiscada um cultivo, pode ser acusada de um crime de tráfico de drogas, mesmo se essas plantas não fossem destinadas à venda.

É muito importante evitar esses casos, que o cultivador possa demonstrar que as plantas cultivadas foram destinadas ao autoconsumo e tentar aplicar o tipo de crime atenuado que geralmente consistirá de uma multa.

Em suma, os atos de cultivo em geral são, infelizmente, proibidos pela legislação espanhola. O importante é que podemos acreditar, perante o juiz, que as plantas tinham como objetivo o autoconsumo.

Dependemos dos critérios do juiz e, seja tudo que tenhamos a nosso favor para demonstrar que essas plantas não iam destinadas à venda, devemos usar para nossa defesa. Em ocasiões, uma boa defesa levou à absolvição do cultivo de maconha.

Outras vezes, o mesmo Ministério Fiscal, quando considera que não é um número significativo de plantas, não apresenta diretamente uma denúncia, mas dependemos novamente da opinião do Ministério Fiscal.

A Lei Mordaza e suas interpretações

No ano 2015 entrou em vigor a polêmica Lei Orgânica de Segurança do Cidadão na qual passou a ser considerada uma infração grave “A execução de atos de plantio ilícito e cultivo de drogas tóxicas, narcóticos ou substâncias psicotrópicas em locais visíveis ao público, quando não são constitutivas de delito criminal” em virtude de seu artigo 36, seção 18.

LEY MORDAZA

O fato de que a referência explícita foi feita a “lugares visíveis ao público” abriu a porta para uma série de interpretações erradas que consideraram isso como um avanço na política de cannabis, acreditando que apenas os cultivos que estavam em vista do público eram puníveis, portanto, aqueles que estavam escondidos dos olhos de outras pessoas eram legais.

Nada está mais longe da realidade, nem a Lei Mordaza foi um avanço na luta contra os direitos dos usuários de cannabis, nem os cultivos de maconha que não eram visíveis a terceiros foram legalizados.

Esta lei, supôs em seu dia, um enorme retrocesso no mundo da cannabis já que este artigo em particular o que faz é fornecer penalidades adicionais àquelas já definidas no Código Penal para a visibilidade do cultivo.

Em suma, mais uma adição ao que já estava lá, mas, em nenhum caso, abre a porta para a legalidade do cultivo “não visível”.

Endurecimento das Sanções

O que essa lei fez em seu artigo 36, seção 18, juntamente com a seção 16, na qual as sanções por posse e consumo na via pública foram endurecidas, é, mais uma vez, criminalizar os usuários de maconha e prejudicar possíveis avanços políticos nesta matéria.

Atualmente existem diferentes municípios que começaram a se mobilizar para regularizar a situação da cannabis em seus municípios.

O que está claro é que ainda há muito a ser feito. É evidente que o atual governo do Partido Popular não pretende melhorar a situação da cannabis na Espanha.

Se quisermos progredir, teremos que nos encaminhar, e não cessar esforços para reconhecer os direitos como consumidores e usuários da cannabis.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

EQT S.L.U. actúa como se responsable de los datos que se recabaran en el presente blog. La finalidad es mostrar su comentario en el post, cuya base jurídica es su consentimiento expreso del articulo 6.1.a. RGPD. Se pueden ejercer en cualquier momento los derechos de acceso, supresión, limitación, portabilidad de datos u oposición dirigiéndose a la dirección postal: al correo electrónico: info@geaseeds.com. Con el checkbox Das tu consentimiento para el recabado de los datos volcados aquí, admitiendo que los mismos son verídicos, exactos y fiables, aceptando haber leído la política de privacidad.